ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de crônicas, artigos, fotos poemas, etc. É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

CASO BERNARDO - O REFLEXO DE "PAIS" MONSTROS

Assisti a reportagem do “Caso Bernardo”, ontem, no Fantástico. Revoltante! Percebe-se claramente que o pai e a madrasta foram os causadores do seu comportamento agressivo. O fato de dois adultos trocarem juízo o tempo todo com a criança gerou um menino aparentemente violento. O que esperar de uma criança educada num lar infernal?
Todas as fotos divulgadas na mídia mostram uma criança que se socializava bem com todos. Por vezes alegre e feliz. Isso deixa claro que fora do lar ela se sentia bem. Creio que o seu comportamento “violento” era um grito de desespero e medo. Era a solução que ela encontrou para se defender do pai e da madrasta com fortes indícios de psicopatas. O garoto vivia diariamente acuado, tenso e numa pressão psicológica infernal.
Normalmente, madrastas e padrastos são pessoas estranhas (principalmente quando estas são crianças). É natural que sejam rejeitadas. O grande segredo está na conquista dos filhos alheios (até porque será formada uma nova família). Quem se propõe e se casar com pessoa que possui filhos, deve se preparar para formar uma nova família, aceitando-os e conquistando-os naturalmente. Há casos de madrastas do bem, mas essa assumiu mesmo a porção mostrada no clássico conto de Perrault.
Percebe-se que enteado e madrasta se rejeitavam. O inexplicável da questão é que ela, por ser adulta (e “ocupar” o lugar da mãe falecida), deveria buscar maneiras de conquistar a criança aos poucos. O garoto era carente em aspectos fundamentais para a sua formação. Um deles era a afetividade. Como se não bastasse, assistia o casal se desdobrar em carinho com o bebê, filho da madrasta com o pai. Para a mente de uma criança tão maltratada, isso era outro tipo de tortura.
O pai, médico e dono de clínica, a madrasta enfermeira. Ambos reuniam todas as condições possíveis para construir uma saudável família. Mas, pelo contrário, se uniram contra o ser mais frágil da família. O pai é tão pior quanto a madrasta, pois permitia e instigava o sofrimento do filho.
O comportamento da madrasta demonstra uma pessoa problemática e incapaz de assumir o filho não biológico. Faltou a ela sensibilidade para conquistar a criança cuja mãe biológica cometer o suicídio.
O pai provoca o filho de forma assustadora, acuando-o como uma fera atrás da presa. Sua voz traduz prazer em provoca-lo. Não dá para acreditar nem para compreender se não se tratasse de dois psicopatas. Num dado momento a gente se assusta com a atitude da criança, a qual pega uma faca e depois um facão e mostra como quisesse se defender. Nota-se pelo olhar, que o garoto revestiu-se desse “menino violento” para sobreviver na “selva perigosa” que era seu próprio lar, mas seu olhar pedia socorro.
O casal incita o garoto a morrer. Num dado momento o menino realmente pede para morrer. A madrasta fala com a criança com sarcasmo e deboche, xingando a mãe biológica e chamando-a de “vagabunda”. O garoto parece enlouquecer ao escutar ofensa a quem ele mais amava. Crueldade pura! A cena na qual ele se tranca num armário denota uma convivência infernal com o casal. Stress máximo. A criança vivia em constante desespero. A madrasta ameaça-o, dizendo “você não sabe do que eu sou capaz”. Justamente o lar era uma escola de violência e humilhação.
Pessoa equivocada pode achar que o garoto era mal ou tinha índole ruim. Quem sabe até supor tratar-se de um forte candidato a matar os pais no futuro (inclusive ouvi isso de alguém), mas tenha certeza que não! Ele era fruto do ambiente onde vivia. Estava sendo moldado pela estupidez de dois adultos que se satisfaziam de forma doentia. O que desse errado no futuro – acaso ele não fosse assassinado – seria consequência desse casal diabólico. Precisa inferno pior?
Mesmo que essa criança agisse assim por consequência de alguma patologia, jamais mereceria tal tratamento. Por ser sadio, pelo menos se defendeu o quanto pode. Infelizmente nada pode fazer quando a madrasta o dopou. Suponho que ela ainda tenha dito horrores em seu ouvido, quando ele entrava em estado de letargia e nada mais podia fazer.
Enquanto educador e pai, vejo tais pessoas como psicopatas. Senti muito a morte dessa criança. Sinto por saber que existem muitos Leonardo por esse Mundão de Deus, sofrendo nas mãos desses seres doentes, cruéis e covardes. Pais ou padrastos devem proteger os filhos – biológicos ou adotados – e não torturá-los ou matá-los.
Infeliz dessa criança que foi parar justamente nas mãos de psicopatas. Meus sentimentos aos seus familiares. Espero que haja justiça! LUIS CARLOS FREIRE