ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de crônicas, artigos, fotos poemas, etc. O autor ministra palestras e pode ser convidado através do e-mail: luiscarlosfreire.freire@yahoo.com.br. Fone: 99827.8517 - É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Matame

Quando estive o menino que não sou agora apenas por fora
Tinha propensão às matas.
O magnetismo selvagem sugavame de modo matame
Embrenhando-me em seus desígnios
Tinha de guia um gato que nunca descompareceu de mim
Portando meu senso de direção felino não tinha apegos geográficos.
A experiência do silêncio quebrado unicamente por voz animal ou minhas pisadas alçava-me a estado de bicho.
Os eflúvios silvestres, o murmúrio dos rios...
Tudo tinha estado de mim
É indescritível o encantamento.
Havia um mimetismo
Como se as árvores e os bichos fossem minha pele.
Nunca fui desrecebido.
Havia inexistência de medo
Havia supremacia de coragem despercebida.
Se real a tese espírita, fui bugre.
Fascinava-me as frutas e flores estranhas
Os sabores e perfumes inesquecíveis e inexplicáveis.
As melhores floriculturas desconheciam os buquês exóticos, saídos de arbustos, árvores e trepadeiras.
A mata tem coisas de realezas
Os bandos de seriemas atravessando o riacho Sapê, os coelhos saltitantes, talvez tentando assustar-me...
E a onça que saltou da ingazeira e vestiu-se com as águas do rio Pardo?
O coração desse bugre-menino saltou pela boca
Não de medo
Mas de encanto excelso.
Um dia encontrei serpentes recém-nascidas num toco podre de jequitibá.
Lembravam minhocas entrelaçadas.
Pareciam adultas pela destreza que serpenteavam o corpo
Coisa de instintos.
Muito lindo os botes sorrateiros.
As linguinhas vermelhinhas aprendendo a cheirar e sentir o perigo.
Corri riscos quando afaguei os filhotes de gato do mato sibilando iguais às onças.
Creio ser um deles que entrou dentro de mim.
Os guinchos dos macacos ensurdeciam...
Nesses empreendimentos silvestres confundia meu habitat
Desaparecia de mim as urbanidades...
Logo surgia o estirão arenoso depois das cercas de aroeira
Sabia a estrada de Bataguassu a Uerê.
Era seguir a linha pintada com as cores do por do céu
Reaparecia distante a urbanidade ao compasso dos passos ligeiros
Escutando o chamado maternal que não precisava de voz.



segunda-feira, 19 de junho de 2017

Instigação à poesia

O tiê-sangue trila canção magnífica na grimpa do pequizeiro
A lesma babeja a calçada
O beija-flor inquieta as flores
A formiga teimosa carrega o louva-deus
O mandarová sofrega no tronco da perobeira
A joaninha mata a sede na bromélia
Abelhinhas miúdas perfumam o jardim
Um panapaná de borboletas azulece o cenário
O cachorro d'água cavouca a terra
Meu Deus!
Ficam essas coisinhas miúdas atiçando poesia cá nessa cabeça de vento

Ocaso

O dia envelhece
A chalana preguiçosa risca o Paraguai,
Desregulando os seus contornos;
Lontras e ariranhas vestem seus furos na barranca;
As águas douradas rolam em curso largo,
Pintadas pelo por do céu.
Logo, os reflexos de púrpura dissipam a tarde;
Os jaburús foram os últimos a encher as árvores,
Já não se vê o sulco da embarcação;
A noite tem espessura de piche
E a água foi aplainada pelo silêncio.
É hora dos jacarés acenderem seus olhos na lâmina do rio;
Os vagalumes infestam de lâmpadas o esmo negro.
Há um perfumamento de lírio borrifando a noite,
Amanhã tudo amanhece Pantanal.

Música da mata


A orquestra da mata tem arranjos de bichos, árvores, rios e ventos
Ventania em casca seca de caramujo faz assobiamento de saci
Murmúrio da água é graveto seco de ingazeira riscando o rio
Matraca escandalosa é porco do mato batendo a baqueta dos dentes no queixo
Tum tum tum estrondoso qual zabumba é composição de rebojo, pedras e correnteza em borbotões
Percussão misteriosa é cápsula pesada de jatobá despencando em folhas secas no chão
Ecos finos e alternados é trilo de anta reverberando
Exercícios de vozes é algazarra de maritacas, araras e periquitos adejando
Harmonia de música da mata está no acontecer
O tiê-sangue bem que devesse reger essa orquestra
É pássaro fascinante e tem semelhança de cantor
Há infinitos sons na mata
É que agora estou desses

Queixadas

O jatobazeiro seco tombou na mata do rio Pardo
Gravetos estalaram
Galhos rangeram
Cipós despencaram
Houve amedrontamento da fauna
Os pássaros adejaram, soltando trilos desesperados
A manada de queixada eriçou as cerdas e estourou dali
Grunhe e matraqueia, amedrontada, no túnel de arbusto
Anda, trota e salta tocos marginando o pântano
Bate o queixo e os dentes, enlouquecida
O silêncio volta
A mata tem desses sustos

Poeta da imagem

Pintor é poeta da imagem
E sua poesia faz ninho no pincel
Pintar bonito carece aparecimento de infância na pintura
Quanto mais criança está dentro do pintor
Mais poesia esparrama na tela
Se as garças estão verdes
É porque algum menino apapagaiou-a
Se os papagaios estão brancos
É que deram de andar com as garças
O tuiuiú não mergulhou a cabeça no rio Paraguai
Portanto ainda não está preta
Seu pescoço não tem anel vermelho
Pois derramaram toda a tinta no sol
As capivaras estão lilazes
De tanto mergulhar sob os lírios
O rio virou espelho
É que o pintor prateou o céu
Quem disser que houve erramento artístico
É que nasceu descolorido de poesia

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Brincamentos de frio


Apetecia-me Bataguassu gelada
Dormir acasulado de alcochoados é lembrança que até hoje me acalora.
Amanhecíamos lesmas até nossas mães nos darem partida.
Daí enfrentar as rajadas de frio.
Na mesa do café, no quintal, onde resvalacem os raios de sol, havia disputamentos.
Mas nem tudo era monótono.
Havia brincamentos de frio.
Eram esses:
1) balançamentos de varal de arame para ver saltar longe os filetes de gelo,


2) Amassamentos de roupas madrugadas no varal para auferir trics-trics.


3) enfiamentos de dedo em película de gelo de balde amanhecido com roupa de molho.


4) desenhamentos com lápis-dedo sobre gelo assentado em carros.


5) colocamentos de língua para grudamento em lataria de carros (sem caneca de água morna fica grudado para sempre),


6) colheitamento de lagrimazinhas de sereno congeladas na ponta das flores,


7) quebramentos de espinhos de gelo formados na grama,


8) soltamento ar quente da boca para fazer pequenos nevoeiros,


9) raspamento da lâmina de gelo com as unhas nos carros para sentir a massa gelada entre as unhas.


Vejam só,
Eram nove brincamentos;
Brincamentos de frio.